Onde vamos parar? Garotas se espancam para aparecer no YouTube

ReproduçãoA possibilidade de qualquer pessoa gerar conteúdo na internet acaba criando fatos curiosos. Alguns até perigosos. Nos Estados Unidos, oito adolescentes foram presos no estado da Flórida após terem filmado uma agressão contra garota para publicar o vídeo no site YouTube. 

Victoria Lindsay foi atacada no dia 30 de março por seis meninas, quando chegou na casa de uma colega. No vídeo, as garotas batem várias vezes em sua cabeça e a jogam contra a parede do banheiro. Lindsay chegou a ficar inconsciente.

Quando a vítima acordou, estava no sofá da sala. As garotas não tiveram piedade e começaram a agredí-la novamente. A mãe da garota espancada disse à rede CBS que os outros estudantes, que vigiavam a casa, sabiam que elas iriam colocar o vídeo na internet.

Os jovens foram acusados de agressão e de aprisionamento forçado. Lindsay está no hospital, com um olho e orelha afetadas.

57 mil escolas poderão receber banda larga até 2010

Num prazo de 3 meses, 4,9 mil municípios brasileiros vão receber telecentros. Foi o que garantiu o ministro das Comunicações, Hélio Costa. Cada telecentro dispõe de dez computadores com acesso à internet por banda larga, mesas, cadeiras, impressora, projetor multimídia e câmera. O governo prevê que até o fim do primeiro semestre todos os 5.565 municípios brasileiros estejam cadastrados para receber os equipamentos. Segundo o ministro Hélio Costa, esse é o maior programa de inclusão digital da América Latina.

Banda Larga nas escolas

Outro projeto do Governo prevê a instalação de banda larga nas escolas. O programa “Banda Larga nas Escolas” vai garantir oportunidade de acesso à internet rápida a milhões de brasileiros. Até junho, a banda larga deve estar instalada em 2,1 mil escolas. A meta é atingir 56,7 mil escolas públicas das áreas urbanas até 2010.

A instalação acontecerá de forma gradual, até 2010. O programa conta com a parceria de quatro operadoras de telefonia: Telefônica, Brasil Telecom, Cercontel e Companhia de Telecomunicações do Brasil Central (CTBC).

5 mil cestas de alimentos para vítimas da chuva no MA

Adalberto MarquesApós visitar quatro cidades atingidas por enchentes, o secretário Nacional de Defesa Civil, Roberto Guimarães, anunciou a liberação de 5 mil cestas de alimentas para serem distribuídas às vítimas das chuvas que assolam cerca de 30 municípios maranhenses. Segundo o coronel Délcio de Castro, coordenador estadual da Defesa Civil, cerca de 57 mil pessoas já foram afetadas pelas chuvas no Estado.

Roberto Guimarães destacou que o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou que fosse dada a assistência necessária aos assolados pelas chuvas no Nordeste, que somam cerca de 390 mil pessoas afetadas, segundo dados do Centro Nacional de monitoramento de Riscos de Desastres (Cenad), da Defesa Civil Nacional. “Primeiramente, o Ministro Geddel Vieira Lima recomendou que fosse dada prioridade ao fornecimento de abrigos, alimentos e medicamentos. Em um segundo momento, serão restabelecidos os cenários de desastres. As solicitações devem ser dirigidas às coordenadorias estaduais de defesa civil”, afirmou o Secretário.

Preço salgado: pão francês está mais caro

O pão francês ficou mais caro: a Fundação Getúlio Vargas (FGV) registrou, com a medição feita pelo Índice Geral de Preços Disponibilidade Interna (IGP-DI), no mês de março a maior alta desde dezembro de 2002. A alta foi de 2,26%.

Nos três primeiros meses de 2008, o alimento acumulou aumento de 23,46%. Nos últimos 12 meses, essa alta chega a 45,69%. A inflação de 9,18% nos últimos 12 meses medida pelo IGP-DI de março é a maior desde os 10,22% constatados em abril de 2005.

Inflação oficial fica em 0,48% em março

Com informações da Agência Brasil (Por: Isabela Vieira)

A inflação oficial do país, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 0,48% em março.

O resultado ficou um pouco abaixo do de fevereiro (0,49%), apesar dos efeitos do grupo educação terem caído, já que esse havia sido responsável pela alta em fevereiro.

Segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o resultado de março manteve-se próximo ao do mês anterior, puxado pelas altas nos chamados preços administrados por contrato (água, esgoto, energia elétrica, combustíveis), vestuário e alimentos.