Término de operações da estação espacial MIR completa nove anos

SÃO LUÍS – Nesta terça-feira (23), completam-se nove anos em que a estação espacial russa MIR encerrou suas atividades. A estação representou a terceira geração das estações espaciais criadas pela antiga União Soviética, baseada justamente na expansão, reequipagem e reabastecimento – com seu complexo de módulos, dando grande capacidade de autonomia no espaço -, e se consolidou como um marco da corrida espacial, por ter sido a primeira estação de pesquisa científica habitada permanentemente no espaço.

Concebida ao custo de US$ 4,2 bilhões, a MIR foi levada ao espaço em 19 fevereiro de 1986, pelo foguete Proton 8K82K. A Soyuz e a Progress foram as principais naves de serviço da estação, que recebeu, entre 1986 e 1996, seis módulos, que formavam sua estrutura física. Mais tarde, com a entrada dos Estados Unidos no projeto MIR, a estação teve que ser adaptada para receber o ônibus espacial da Nasa, a agência espacial americana.

Em 15 anos em que a MIR permaneceu na órbita da Terra – bem mais do que o previsto, já que havia sido projetada para operar até 1991 -, a 400 km de altitude e pesando 143 toneladas, foram realizadas 86.320 voltas em volta do planeta (cada volta a cada 90 minutos), totalizando uma trajetória de 3,36 bilhões de quilômetros. Vinte e cinco missões russas e 30 internacionais foram feitas, recebendo 103 visitantes. Ao todo, 14 mil experimentos científicos foram realizados dentro da MIR. Os cosmonautas que ocuparam a estação espacial realizaram 66 passeios no espaço, sendo que o mais longo durou sete horas.

Em março de 1986, a MIR recebeu a sua primeira tripulação, formada pelos cosmonautas Leonid Kizim e Vladimir Soloviev. Em dezembro de 1991, o cosmonauta Valeri Vladimirovich Polyakov (foto) completou 437 dias, 17 horas, 58 minutos e 4 segundos na estação espacial, um recorde mundial de permanência no espaço. 

Em seus 15 anos de existência, a MIR, do russo “Мир”, simbolizou verdadeiramente o espírito trazido por seu próprio nome, que significa, simultaneamente, paz, mundo e universo.

Após sua desativação, em 23 de março de 2001, a MIR deu espaço a um novo e ambicioso projeto internacional, o da construção da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), uma miscelânea dos projetos russo (MIR), americano (Skylab) e europeu (Columbus), e que conta com a colaboração dos países que participam da corrida espacial, inclusive o Brasil.