Divulgação

Fazenda da Esperança de Coroatá completa 25 anos

Os fundadores da Fazenda da Esperança chegaram a São Luís neste domingo (13) e seguiram direto para Coroatá para o festejo dos 25 anos da obra social no Maranhão. O festejo segue até dia 20 de maio, quando será aberto ao público numa comemoração que contará com a presença de representantes da obra social sediada em várias partes do mundo, em países da Europa, Ásia, África e na América. A fazenda de Coroatá é a segunda mais antiga da instituição, tendo sido criada após a de Guaratinguetá (SP).

Os dois fundadores da Fazenda da Esperança que estarão em São Luís são o missionário Nelson Giovaneli e o frei alemão Hans Stapel da ordem dos franciscanos.

A instituição

A Fazenda da Esperança é uma entidade terapêutica que tem como missão recuperar dependentes químicos. A obra social já resgatou mais de 10 mil jovens e adultos das drogas, álcool e demais vícios em todo o mundo. No Brasil, mais de 60 unidades funcionam em locais estratégicos – capitais ou locais de maior incidência do problema da dependência química. A entidade filantrópica fundada em Guaratinguetá, São Paulo, já tem quase 20 unidades internacionais, em países da América Latina e outros, como no México, Moçambique, Angola, Portugal, Filipinas, Alemanha, Guatemala, Rússia, entre outros.

No Maranhão, a Fazenda da Esperança possui duas unidades, sendo uma localizada em Coroatá (com centro feminino, centro masculino e centro de menores) e outra em Balsas (centro masculino, e atualmente com centro feminino em construção). A unidade de Coroatá é a segunda mais antiga do mundo.

Divulgação/IFMA

Pesquisadores do IFMA e Uema estudam cavalo baixadeiro

As informações são do IFMA

Rústico, forte para o trabalho e resistente aos campos alagados: essas características fizeram do cavalo baixadeiro a raça perfeita para auxiliar no trabalho rural na região da Baixada Maranhense. Mesmo com sua importância econômica, pouco ainda se sabe sobre doenças nesses animais. É essa lacuna que esperam preencher pesquisadores do campus do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) do Maracanã e da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), com a pesquisa “Sanidade do grupamento racial cavalo baixadeiro: doenças parasitárias e infecciosas”.

No mês passado, a equipe coletou amostras de sangue, fezes e de ectoparasitos (parasitas externos, que habitam a pele do hospedeiro) em cavalos baixadeiros da localidade de Comporta, no município de Pinheiro, distante 333 km da capital São Luís. Os criadores atenderam ao chamado dos pesquisadores, e disponibilizaram 84 animais para a coleta do material. As amostras estão sendo processadas no laboratório da Fazenda Escola da Uema (São Bento), no Laboratório de Parasitologia Veterinária da Uema (São Luís) e no Laboratório de Sanidade Animal do campus Maracanã.

Os pesquisadores querem diagnosticar doenças parasitárias e infecciosas que atacam o cavalo baixadeiro. “A importância do trabalho se dá por dois motivos principais: primeiro por ser inédito, e segundo por estar trabalhando o aspecto sanitário desses animais. Com isso, teremos subsídio para ações de controle e prevenção de doenças”, apontou o pesquisador do IFMA, Danilo Rodrigues Barros Brito.

Ameaça ao cavalo baixadeiro

O Maranhão possui o segundo maior rebanho de equinos do Nordeste, com 164 mil cabeças. A maioria dos animais é mestiça, como o cavalo baixadeiro. O que mais impressiona os pesquisadores sobre esta raça é sua adaptação a um ambiente semelhante ao do pantanal mato-grossense. A Baixada Maranhense passa metade do ano com intensas chuvas, período em que os campos enchem e ficam com o terreno alagado e argiloso.

“Nessas condições, qualquer outra raça teria doenças no casco, mas o cavalo baixadeiro não apresenta esse problema”, ressaltou Danilo. Não por acaso o animal é, para os trabalhadores rurais da região, meio de subsistência e sobrevivência. A falta de manejo rotineiro e adequado, entretanto, tem deixado a raça vulnerável e até ameaçada.

De acordo com o pesquisador da Uema, Daniel Praseres Chaves, que integra a equipe, em longo prazo pode ocorrer a extinção do cavalo baixadeiro. “Os cruzamentos indiscriminados com outras raças, além dos acasalamentos consanguíneos, doenças parasitárias e infecciosas vêm contribuindo para a degeneração e diminuição da população de cavalos baixadeiros”, assegurou Daniel.

Com previsão para ser finalizada em dois anos, a pesquisa é coordenada pela doutora em Parasitologia Veterinária, Ana Clara Gomes dos Santos (Uema), e financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), por meio da Rede de Pesquisa da Baixada Maranhense (Rebax).

A equipe de pesquisadores é formada, também, por alunos da Iniciação Científica Júnior (estudantes do curso técnico em Agropecuária) e da Iniciação Científica (alunos da Licenciatura em Ciências Agrárias, do Campus Maracanã, e da graduação em Medicina Veterinária, da Uema), bem como de alunos do mestrado em Ciência Animal.

Reprodução/Internet

Cesta básica em São Luís fica em R$ 204,04 no mês de abril

Com informações do Imesc

O valor da cesta básica calculado pelo Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc) para o município de São Luís foi de R$ 204,04 no mês de abril de 2012. Entre os doze produtos que compõem a cesta, nove apresentaram alta em seus preços médios: o feijão (15,9%) apresentando alta pelo quinto mês consecutivo, o óleo (5%), o tomate (3,5%), a farinha (3,1%), a manteiga (2,6%), o café (2,1%), o açúcar (1,8%), o arroz (1,5%) e a carne (1,4%). E dois itens sofreram queda: a banana (-6,5%) e o leite (-1,2%).

Sobre as 17 capitais em que o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) realiza mensalmente o cálculo da cesta básica, o valor para o mês de abril de 2012 foi: São Paulo (R$ 277,27), Porto Alegre (R$ 268,10), Manaus (R$ 267,19), Vitória (R$ 262,14), Belo Horizonte (R$ 258,78 ), Florianópolis (R$ 257,90), Brasília (R$ 255,50), Rio de Janeiro (R$ 252,04),Curitiba (R$ 249,36), Belém (R$ 248,41), Goiânia (R$ 235,36), Natal (R$ 225,41), Recife (R$ 223,97), Fortaleza (R$ 218,87), Salvador (R$ 217,92), João Pessoa (R$ 216,95), e Aracaju (R$ 192,52).

Dessas capitais, quatro registraram aumento nos preços dos produtos que compõem a cesta básica: Manaus (3,8%), Fortaleza (3,54%), Natal (2,93%), Salvador (2,84%) apresentaram as maiores altas. E as reduções mais relevantes ocorreram em Rio de Janeiro (-1,83%) e Belo Horizonte (-0,82%).

Para adquirir os produtos que compõem a cesta, o trabalhador que ganha um salário mínimo, precisou comprometer 32,8% da sua renda no mês de abril de 2012. Em outras palavras, tomando como base uma jornada de trabalho de 220 horas, o trabalhador precisou laborar 72 horas e 10 minutos para obter um montante equivalente ao valor da cesta. Deste modo, apenas 67,2% do salário estaria disponível para outras despesas como: habitação, vestuário, transporte, higiene, lazer, etc.

Foto ARQUIVO/ABr

Litro da gasolina custa, em média, R$ 2,594 em São Luís

SÃO LUÍS – O litro da gasolina custa, em média, R$ 2,594 para consumidores de São Luís. É o que aponta a pesquisa de preço semanal de combustíveis da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), realizada, em 16 municípios maranhenses, entre os dias 6 e 12 de maio. Na capital, foram pesquisados 35 postos.

O etanol, segundo a ANP, alcançou preço médio, no período, de R$ 2,172 em São Luís. Já o diesel tem o valor médio de R$ 1,982.

O levantamento completo pode ser encontrado, na íntegra, semanalmente, na página eletrônica da ANP na internet, e no MauricioAraya.com.br.

Foto DIVULGAÇÃO/FEFUSMA

MA despacha RS e decide título do Brasileiro neste domingo

As informações são da Fefusma

Foi dramático. A Seleção Maranhense Sub-15 de Futsal está na final do Campeonato Brasileiro de Seleções da 1ª Divisão, competição que está sendo realizada na cidade de Cuiabá (MT). Neste sábado (12), os maranhenses sofreram, mas desbancaram o Rio Grande do Sul, um dos favoritos ao título nacional, na prorrogação: 3 a 2. O destaque da partida foi o fixo Marcus Paulo, autor de dois gols. Anderson marcou o outro gol maranhense.

Na decisão, que ocorre às 10h deste domingo no Ginásio Aecim Tocantins, Maranhão vai em busca do título nacional diante da equipe do Mato Grosso Sul. Os sul-mato-grossenses derrotaram Amazonas por 6 a 4, na outra semifinal. Os dois finalistas estão invictos no torneio.

Mas para chegar à final, os maranhenses tiveram que se superar ao extremo. Aos 11min29, Lucas Baroni abriu o placar para os gaúchos. O Maranhão buscava o empate de todas as formas, mas bola teimou em não entrar no primeiro período.

Na volta do intervalo, Anderson deixou tudo igual no marcador aos 20min51. O 1 a 1 persistiu por toda a etapa final e levou a decisão para a prorrogação.

A dramaticidade aumentou para o Maranhão quando, logo aos 32min44, Lucas Baroni, de novo, pôs os gaúchos em vantagem. Mas a Seleção Maranhense foi valente. Brigava por cada bola e foi recompensada aos 35min38 com o gol de Marcus Paulo: 2 a 2.

A decisão parecia definida de que iria para os pênaltis. Não foi. O que parecia ser inevitável, simplesmente foi por água abaixo quando Marcus Paulo virou o jogo faltando dezesseis segundo (39min44) para o apito final. Era o gol da classificação. Foi o gol para carimbar o passaporte para a final do Campeonato Brasileiro de Seleções Sub-15.

E o Maranhão chega para a decisão invicto. Das cinco partidas realizadas pelos maranhenses no torneio nacional, foram três vitórias (uma na prorrogação) e dois empates.